O que é e como meditar estão entre as principais perguntas para iniciantes na prática

A palavra meditação tem sua origem do latim “meditare” – que significa ir para o centro,
desligando-se do mundo exterior e, como consequência, voltando à atenção para dentro
de si. É um tipo de prática milenar cujo significado em sânscrito é “pensar e refletir” –
Dhyāna -.

Por meio da meditação os seres podem experimentar o que está acontecendo com a
mente na hora da prática, fazendo com que o fluxo de pensamento seja reduzido, além de
desenvolver autoconhecimento e consciência.

Dentre os benefícios da meditação estão a ampliação da concentração, regulação das
emoções e integração entre mente, corpo e mundo exterior. Ao aprimorar as inter- relações pessoal, social e ambiental, a prática meditativa constante auxilia na promoção da saúde no dia-a-dia. Inúmeros sinais podem ser trabalhados com a meditação e a atenção plena, como a ansiedade e a depressão.

Dividida em dois tipos, a meditação pode ser ativa – quando há concentração exclusiva em
uma única tarefa (como pintura, origami, labirinto) – ou passiva – quando o corpo
permanece imóvel e a atenção é dirigida para a redução do pensamento. É comum indicar
o começo da prática com as pernas cruzadas ou em uma posição confortável e o
constante desenvolvimento da atenção plena, ou seja, o foco no momento presente,
conhecendo seu corpo e estar atento a respiração e como ela funciona e te traz
benefícios.

Sobre a meditação, não há uma prática correta. A meditação é um processo que cada
individuo irá construir consigo mesmo, é um processo de desenvolvimento da consciência
em relação a si por meio das práticas de respiração, relaxamento e atenção plena.

Atualmente existem meditações guiadas para prática por poucos minutos e voltadas para
amenizar sintomas da ansiedade, crises de pânicos, estresse, depressão e diversos outros
sentimentos e situações que afligem o ser humano. A prática recorrente apresenta efeitos
positivos também em trabalhos multitarefas, qualidade do sono e do sistema imunológico,
atenção e auto-regulação.

Como começar: você pode começar a meditar devagar, com poucos minutos por dia e
sentir os benefícios de bem-estar mais rapidamente. Separe alguns minutos, um local
silencioso, uma posição confortável e sinta sua respiração.

Meditação guiada: as meditações guiadas variam de tempo e finalidades e podem ser
encontradas gratuitamente pela internet. Costumam a ajudar a mente a focar e você a
perceber seus movimentos e sentimentos.

Música para meditar: a música pode auxiliar no estado de concentração e relaxamento do
corpo, sendo uma ótima aliada para a prática.

Estudos de epigenia feitos por pesquisadores da Espanha, França e Estados Unidos, em
2014, apontaram que há uma redução nos níveis de genes pró-inflamatórios, além de
outras alterações no mecanismo de regulação genética após horas de meditação. De
acordo com os estudiosos, os resultados têm relação com a rápida recuperação física
após situações estressantes.

Em 2018 a atividade passou a fazer parte da Política Nacional de Práticas Integrativas
Complementares (PNPICS) do Sistema Único de Saúde e pode ser encontrada em
hospitais públicos do Brasil.

“Ela (a meditação) deprime as emoções negativas, reduz os hormônios do estresse,
aumenta os hormônios como a melatonina, que é um hormônio que ativa o sistema
imunitário, deprime as células tumorais. Então, o sistema de defesa, os três sistemas das
pessoas começam a funcionar de maneira normal, de maneira equilibrada, de maneira
harmônica, de maneira plena. E vem a cura”, Carlos Eduardo Tosta, professor titular de
Imunologia, da UnB.

Uma pesquisa, realizada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, avaliou os efeitos da
meditação intensiva no cérebro. “Tem muitos benefícios imunológicos, muitos benefícios
psicológicos, tem muitos benefícios psiquiátricos, cardiovasculares, sem dúvida nenhuma.
Provavelmente, tudo beneficia na meditação”, afirma o neurologista João Radvany, do
Hospital Albert Einstein.

Benefícios

  • A meditação pode ajudar em vários casos como: depressão, ansiedade, hipertensão, dor crônica, hiperatividade, problemas gastrointestinais, hipertensão, diabetes, reduz a frequência de resfriados e dores de cabeça etc.
  • Não tem contra indicações para nenhum estado de saúde ou idade.